Skip to content

Livro aborda trajetória na conquista pelos direitos das pessoas com deficiência

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Foto de um celular com a capa do livro "Inclusão Educacional, Econômica e Social das Pessoas com Deficiência - Contribuições do Instituto Paradigma". A capa, em amarelo, traz aa foto de dois homens sentados em uma mureta e o da direita usa implantes nas pernas na altura dos joelhos. Ao lado do celular, há a cópia do livro impressso.

Por Elsa Villon

Foto: Divulgação. Créditos: Arthur Calasans

A inclusão de pessoas com deficiência e a luta por uma educação mais inclusiva são alvo da atuação do Instituto Paradigma desde o seu início, em 2003. E agora, todo o conhecimento desses anos é encontrado na publicação “Inclusão Educacional, Econômica e Social das Pessoas com Deficiência – Contribuições do Instituto Paradigma”, escrito por Luiza Russo e Luiza Percevallis Pereira. 

O livro, editado pela Palavra Bordada, foi lançado ontem, 25/11, na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi, em São Paulo, com a presença das autoras. No dia 1/12, às 15h, ocorre o bate-papo virtual sobre o livro, com a mediação de Rodrigo Hübner Mendes, superintendente do Instituto Rodrigo Mendes, no canal do YouTube do Instituto Rodrigo Mendes e no Facebook do Instituto Paradigma.

A obra é resultado do trabalho técnico realizado pelo Instituto Paradigma (IP), que atuou na assessoria às redes públicas de ensino, além de reunir a abordagem científica a acadêmica mais recentes sobre o universo das pessoas com deficiência. 

“Nossa intenção foi trazer ao público envolvido com o processo de inclusão das pessoas com deficiência um material que proporcionasse uma visão mais ampla, nas diferentes dimensões sociais em que ele possa ocorrer, compondo um esforço coletivo para a realização do processo de inclusão social dessa população”, afirma Luiza Russo, presidente do Instituto Paradigma. 

Contribuições do Instituto Paradigma  

O papel do Instituto Paradigma para o livro deriva da atuação Associação Brasileira de Apoio Educacional ao Deficiente (ABAED), fundada em 1991 pela então professora Luiza Russo. A organização trabalhava na formação de professores numa perspectiva didático-pedagógica inclusiva. 

“Esse trabalho teve impacto no contexto educacional mais ampliado, atraindo pessoas e organizações interessadas nessa visão da educação especial/ inclusiva e também familiares de pessoas com deficiência que buscavam uma formação educacional mais adequada para o desenvolvimento das potencialidades que seus filhos apresentavam”, pontua Luiza Percevallis Pereira. 

Em 2003, esse tipo de atendimento passou a ser realizado por instituições parceiras, devido à alta demanda, e foi fundado o Instituto Paradigma, com o foco na assessoria técnica e a missão de potencializar a efetiva inclusão da população com deficiência, promovendo maior impacto social. 

No ano seguinte, surgiram novas parcerias com municípios para a implantação de políticas locais para a inclusão escolar, a qualificação de serviços voltados para essa população, assim como o apoio técnico para a busca de soluções urbanísticas que lhes garantissem acessibilidade e mobilidade.  

Paralelamente, foram desenvolvidas ações junto às empresas privadas que estimularam a conscientização sobre o processo de inclusão das pessoas com deficiência no trabalho, fazendo com que os espaços corporativos buscassem se organizar para o cumprimento da legislação vigente. Assim, se organizaram dois programas de atuação do IP: Inclusão Educacional e Inclusão Econômica, retratados nos capítulos três e quatro do livro. 

Em 2007, houve a ampliação dos trabalhos de consultoria, direcionados também para o desenvolvimento comunitário inclusivo, marcado pelo debate sobre a valorização da diversidade humana na sociedade. Foi organizado o terceiro programa do instituto, “Desenvolvimento Social Comunitário Inclusivo”, abordado no capítulo cinco da obra. 

Dez anos depois, o IP encerraria seu trabalho com consultoria, atuando para a disseminação de informações e disponibilizando o acesso a materiais técnicos produzidos em suas atividades ou por acadêmicos e profissionais das áreas relacionadas com os programas desenvolvidos com o Instituto. 

Sobre a obra

Relacionando teoria e prática e como ela foi fundamentada pelo IP, o livro traz em várias dimensões da inclusão da pessoa com deficiência: a educacional, a econômica e a social; planejamento e execução de projetos com gestores de escolas particulares ou de redes de escolas públicas, filiados a diferentes partidos políticos; empresários; gestores e agentes comunitários e os respectivos grupos de funcionários.  

“Foi preciso compreender cada uma de suas necessidades e expectativas e compor projetos inclusivos diferenciados, a serem executados a curto, médio e longo prazos, contando com os recursos disponibilizados para cada uma de suas etapas.  Esse exercício constituiu a metodologia do IP, expressa neste livro. Acreditamos ser essa a sua principal e complexa importância”, afirmam as autoras. 

A obra também destaca as conquistas alcançadas pela população com deficiência na educação, em seu terceiro capítulo. Dentre elas, estão:   

  • O Plano Nacional de Educação, com metas e prazos a serem cumpridos pelos gestores públicos;  
  • A implantação de salas de recursos multifuncionais e orientação para o seu funcionamento; a criação do cargo do professor do Atendimento Educacional Especializado (AEE);  
  • Práticas institucionais que contemplam a obrigatoriedade escolar no ensino fundamental nos sistemas educacionais para todas as crianças, com ou sem deficiência;  
  • Práticas organizativas na escola, que promovem a acessibilidade para atender as demandas desse público, no sentido de garantir a equiparação de oportunidades entre os alunos da escola;  
  • Práticas didáticas que promovem a parceria entre o professor da sala regular e o professor do AEE e a provisão de recursos e serviços da Tecnologia Assistiva, quando necessários, para a equiparação de oportunidades entre os alunos. 

Cientes da amplitude do tema e seus desdobramentos, Luiza Russo e Luiza Percevallis Pereira têm planos de lançar um segundo livro, que abordará mais informações específicas sobre cada deficiência, sendo algumas delas já incluídas nos capítulos seis e sete da atual publicação. 

Nós utilizamos cookies para melhorar sua experiência ao navegar por nosso site. Ao continuar utilizando nosso site, entenderemos que você concorda com nossa Política de Privacidade.