As bibliotecas de audiolivros da Fundação Dorina

As bibliotecas de audiolivros da Fundação Dorina

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Foto das estantes da biblioteca circulante da Fundação Dorina, com diversas caixas de CDs. Ao fundo, há um homem desfocado manuseando o acervo.

O acesso à leitura ganhou destaque recentemente com a discussão sobre a taxação de livros no Brasil. Além do preço das obras, existem outros impedimentos para a população se aproximar dos conteúdos escritos: as barreiras metodológicas. 

Segundo dados do IBGE de 2010, o Brasil possui mais de 6,5 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência visual, sejam elas cegas, com baixa visão ou visão subnormal. Nesse contexto, o hábito da leitura pode ser desafiador para quem não conhece o sistema braille, trazido ao Brasil pela professora e ativista cega Dorina Nowill. Ela foi a responsável pela criação da Fundação para o Livro dos Cegos, no Brasil, em 1946que se tornou a Fundação Dorina Nowill para Cegos. 

Na época, foi graças ao apoio de uma rede de voluntárias que enxergavam que a professora conseguiu difundir o braille e criar uma biblioteca, possibilitando o acesso à leitura para as pessoas com algum tipo de deficiência visual alfabetizadas pelo sistema. Atualmente, a fundação possui a maior gráfica braille da América Latina, com distribuição gratuita para mais de 3 mil instituições em todo o Brasil.  

Foi a partir de 1972 que a Fundação Dorina passou a produzir livros falados, ampliando as possibilidades de acesso à informaçãoHoje, acervo conta com milhares de livros falados, livros digitais e e-pubs, além dos títulos em braille. 

Como funciona? 

Os títulos em audiolivros são disponibilizados de duas maneiraspela biblioteca física, chamada de Biblioteca CirculantepelDorinateca, a biblioteca virtual. 

A Biblioteca Circulante só é composta por livros falados, em cds, e é assim chamada porque circula o Brasil inteiro. Qualquer pessoa de qualquer estado pode pedir um título, enviado de maneira gratuita pelo correio ou retirado presencialmente. Após a leitura, basta devolvê-lo à instituição. Ao todo, são 5.135 audiobooks, indisponíveis no momento por conta da pandemia. 

Todos os livros falados são feitos com voz humana de ledores. Esse trabalho é executado com profissionais da voz, como locutores e dubladores. Além disso, também é possível ser um ledor voluntário, com a leitura feita em casa já com uma pré-edição. 

Kely Magalhães, gerente dos serviços de apoio à inclusão da Fundação Dorina, contou que existem algumas etapas até que o áudio seja gravado: Para ser voluntário, são feitas uma série de testes, como de voz e ruídos de residência, por exemplo. Tudo isso para que a gente ofereça um produto final com a mesma qualidade feita em um estúdio. Fora do contexto pandêmico, também é possível utilizar os estúdios da própria fundação”.  

Já a Dorinateca conta com materiais em todos os formatos, de livros falados a arquivos em braille para impressão. Também são disponibilizados livros no formato Daisy, com conteúdos mais técnicos e narrados por uma voz sintética. Para acessá-los, é necessário o uso do software Dorina Daisy Reader, que permite marcar páginas, citações e soletrar palavras. Todos os serviços são gratuitos, basta apenas se cadastrar para acessar o acervo. 

Segundo Kely, o número de acessos teve um aumento de 20% em 2020. Com a paralização da Biblioteca Circulante imposta pela pandemia do Coronavírus, a Fundação Dorina permitiu o download de mais títulos por vez para incentivar a leitura dos livros falados, item mais procurado no período. 

Hoje, a Biblioteca Circulante conta com seis voluntários, parados no momento por conta da pandemia. Tanto ela quanto a Dorinateca estão dentro de uma área chamada Serviços de Apoio à Inclusão. Nela, são oferecidos atendimentos como o acesso à informação e à cultura, de maneira geral, mas também trabalhos voltados à autonomia e independência, com o processo de habilitação e reabilitação da pessoa com deficiência visual. 

Público-alvo e formações para educação inclusiva 

O público-alvo dos livros falados das bibliotecas seguem o perfil das estatísticas do IBGE sobre a população cega no país: adultos, seguidos de idosos.  

Há também uma área de educação inclusiva que visa estimular crianças e jovens na fase escolar e assistidos pela instituição a acessar a biblioteca virtual: “Nós temos serviços interventivos, dentro dos serviços de habilitação e reabilitação, como a pedagogia, onde estimulamos que nossos atendidos busquem os livros, acessem e façam a leitura”, pontuou Kely. 

Além do estímulo à leitura, a Fundação Dorina trabalha com palestras e formações para professores da rede pública e privada. O serviço é gratuito e basta a escola se cadastrar no site www.trocandosaberes.org.br 

Após o cadastro, as escolas recebem um dos profissionais da Fundação Dorina e conhecem um pouco do universo da pessoa com deficiência, sobre o contexto e a inclusão dessa criança e desse jovem no meio escolar. As atividades continuaram mesmo durante a pandemia e mais de 5 mil profissionais da área da educação passaram por capacitações, palestras e acessaram o portal de educação inclusiva. 

Desafios na busca pelos lançamentos 

Não existe novidade sobre o que é mais procurado em termos de audiobooks: lançamentos e best-sellers. Mas há um entrave ainda muito grande para disponibilizar esse material simultaneamente aos livros impressos e digitais: as editoras. 

A gente luta bastante e é um trabalho de formiguinha, pois o ideal é que o livro nasça acessível também, na construção dele na editora”, informou Kely. Atualmente, a espera por um livro falado varia de três a seis meses. Segundo a gerente, o ideal seria que os lançamentos já saíssem da editora acessíveis, conforme prevê a Lei Brasileira de Inclusão. 

Além da biblioteca, há uma infinidade de serviços oferecidos pela Fundação Dorina por meio de voluntários, como a compra de livros e a produção deles. Kely explicou que são feitas pesquisas com os usuários para saber o que eles buscam naquele momento. 

É possível contribuir com o acervo por meio de doações, sendo um parceiro-doador ou um amigo-mantenedor, não apenas na biblioteca, mas em todos os serviços de habilitação e reabilitação. Nsite da Fundação Dorina, na área “Como ajudar”, há informações de como se tornar um doador ou voluntário.  

Participação Social 

Além do empréstimo de títulos, a Fundação Dorina também promove um trabalho chamado “Leitura Inclusiva”. Nele, a equipe que faz visitas in loco, além da formação,  orienta sobre como a pessoa com deficiência visual pode utilizar o livro.   

Há também uma série de outros serviços oferecidos para a inclusão de pessoas em processo de perda visual: “Nós reabilitamos para o mundo, para que ele seja incluído socialmente, é uma inclusão social. Nesta parte de reabilitação, nós temos oftalmologista, psicologia, fisioterapia, pedagogia, terapia ocupacional, serviço social e professor de gerência por mobilidade”, informou Kely.

Cerca de 1.300 pessoas são atendidas anualmente pela Fundação Dorina, que tem realizado serviços por teleatendimento e videoconferências durante a pandemia, além do atendimento presencial, exceto na fase vermelha da pandemia. A expectativa é que pelo menos mil pessoas sejam atendidas em 2021. 

Nós utilizamos cookies para melhorar sua experiência ao navegar por nosso site. Ao continuar utilizando nosso site, entenderemos que você concorda com nossa Política de Privacidade.